quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Quem me dera, ao menos uma vez... é, é... É!

Penetra, surda mente o reino das palavras,
enquanto sussuro nos teus ouvidos
aquelas mais amadas...

Pense cega mente, na Terra A Dourada,
que te faz só rir
me faz clã mar...
e vim ver o homem, que brilhava.

Ah, sê já o que outra hora ouvimos falar,
sê hoje, o amanha
sente o amanha no agora.

Brilha, ilha do mar,
sou choro, sou só riso, sou tristeza
te faço brilhar,

E do brilho tiro o canto,
na penumbra o encanto,
do encanto a companhia.

De teus olhos quero o "Te amo"
Do esconderijo Obliquo,
da cadeia do tempo
Fugiremos do abandono.

Sejamos eu, eles, nós vós tu e eu e eles e aqueles com anzóis,

O Lago é de Sol,
a Isca de estrelas,
e a pesca de é o Anzol!

Vejamos o mundo por aqui
e Deixemos ele acolá... acolé acoli