terça-feira, 6 de novembro de 2007

Delirio (ou fruto de uma loucura)

.então você gosta é disso?
Tem certeza que não quer me ouvir?
Veja que eu quero te dar a maior das mentiras....
Ah, mas você gosta disso…
E, sim, eu te entendo, contudo é uma lastima que não queira o meu veneno
Que de tão puro é pleno…
Ah, mais você sempre vai gostar disso…

“Eu vou te seduzir até a alma,
Passarei minha boca por todo o corpo que gritar ser teu”

Você vai gostar disso…

Agora vem,
Vou te contar minha mentira,
Que é tão pura quanto a tua verdade…

Hahaha!

Você vai gostar
Ela tem gosto de puro chocolate,
E aparência de doce mel,
Mas na verdade é amarga…Hummm.
Como é bom pra mim isso…

“, e depois eu vou te devorar minuciosamente com meus olhos,
vou te fazer gritar como o vento impetuoso que me abate.”

Você já começando a gostar… me fazendo delirar…
Surpreendendo-me com uma avareza incontestável,
Faz-me pensar que o teu gosto é mais que utópico,

Ele sou eu, não…?

“E quando ver teus suspiro de amor…
ah quando os ver, você será parte de tudo que é meu.”

Por enquanto me deixa te contar uma mentira,
Uma mentira verdadeira,
Que vai te fazer,
Esquecer o passado… abominar o futuro.

Nostalgia e delirio

E aconteceu

Do vento se acalmar

Da brisa perfumar

O ar que te tocou...

Acometeu no primeiro olhar

O céu, a terra o mar

Querendo te amar

Meu medo adormeceu...

E foi assim que o meu mundo sorriu

Meu coração se abriu

Pra sentir teu calor...

Choro de alegria

Brilho e nostalgia

Sou Beijo tu és flor...



N.A:

Sim, ando muito "meloso"
xD

A prova disso, ou uma delas, é esse poema.

Abraços.

Nostalgia

E se sonhavas

Eu te tinha,

Tomava-te em meus braços,

E fazíamos da noite um dia de alegria.

E quando sorria

A vida resplandecia

Tudo em volta só sorria

E o desejo era maior...

Quando acordava

Só para mim olhava

E eu te desejava

Sempre mais e mais

Hoje sozinho

Nesse ninho azul

Que se tornou imenso mar

Olho tuas fotos

Sinto o teu cheiro

Aperto o travesseiro

Sonhando te encontrar…

Perceber é Julgar I

Perceber é Julgar.
Prefiro percorrer o mundo daqueles que não me entendem,
Cego para todos os sentimentos,
Leigo para todos os pensamentos,
Alheio a todos os meus internos contentamentos.

Porque o mundo que me cerca é que é fogo
Que devora tudo em mim
Só ao me ver.
Que me suga a alma e faz sofrer
Que derrama sangue sem ter por que.

Perceber é Julgar.

(...)