segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Carmem (Acrostico nº 2)

Corrias, em um rio de

Águas raras, como

Raro diamante...

Mergulhavas em mim

E penetravas o âmago, agressiva e intimamente…

Naquele instante Éramos, e isso era tudo…


Regozijei-me, em silencio

E abracei a mórbida felicidade que emanava em forma de

Gozo e agonia

Inexorável sensação… sentimento de inocente euforia.

Não importa o que dizem, os simples mortais. Importa

A verdade: minha moradia.




Henrique Santana C.

Nenhum comentário:

Postar um comentário