sábado, 22 de dezembro de 2007

Contaram-me a historia de um rapaz.

I.

Ele era belo,

E tinha quem o amasse,

Mas ainda jovem se perdeu,

E nada mais se soube sobre ele.


Agora deitado em meio a essa campina

Ele recorda-se e Poe-se a chorar.

O Céu já não lhe parece tão azul,

E lhe faz sofrer a chuva que Dele emana.


II.


Disse-lhe Um Sábio que morasse

Ao pé da montanha,

E ele o fez,

Beijou-lhe o corpo uma Musa,

E ele se desfez.


Sentiu-se só um dia

E veio-lhe o desejo de voar;

Como um Morcego,

Ou um demônio sem asas,

Contentou-se com a terra e chorou.


Amou intensamente uma Pedra,

Que se mostrou mais forte que ele,

E o envolveu.


Correu o oceano de seus olhos

Um pecado indecifrável,

Fluiu, pelos seus fios dourados

Dourada mão estranha,

e ele estremeceu.


Ao dormir sonhou com o Sábio

E ficou feliz.

Ao acordar lá estava ele ao seu lado

E sorriu.

Era utópico,

Mas estava ali.

Encontrava-se imundo,

Mas era ele.


Esquecera-se da tristeza

E passou a procurar um caminho,

Assustou-se com sua enfadonha candura

E seguiu.

Encontrou, então, Elisa e o mar se fez.

Tomou-a em seus braços

E ela o amou…


Por aquele momento fez-se o ele o ela

E ela a deusa.

Jugaram-lhes um alguém

E os separou.


Ela perdeu-se na morte,

Ele em sua própria liberdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário