terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Decida-se ou demore-se.

E então correu.
Correu como se daquilo sua vida dependesse.
Correu para o futuro esperado ha tempos passados.

O amor não é puro: ele devora.

Sentiu os braços,
O cheiro da pele,
A vontade escondida, por tanto tempo reprimida.

O amor é bonito - quando só rir.

E o que fazer agora?
O pedir agora?

Isso não importa.
O abraço que recebia, era tudo naquela hora.
Embora...

Um comentário: