domingo, 28 de novembro de 2010

Desfaz o Mas

Porque haveria de ter lugares

Rodas, gigantes e escopetas

Um barulho gritante pela casa

O ecoar de dons

O flutuar de minhas penas e canetas


Tentando esconder a porta escura

A Gota podre

A utópica pele nua


Tentando disfarçar a inocência

Do perfume pós-banho

Da leveza e da dormencia


E se no ar voce não anda

No mar voce não afunda

No céu voce não sonha

No inferno voce finge e ganha


Hááááá


A dor... o odor... o desejo... o calor...

Nenhum comentário:

Postar um comentário