quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Não, eu não deixo.

Deixa eu continuar brincando
Continuar sonhando
Agindo de forma pouca
Fazendo de conta que adianta 
E que não se estraga a poupa.


Deixa eu continuar dizendo que abandono
Quando em sonho
Corro pros teus braços
E apago o pranto


Deixa eu tocar teus cabelos
Deslizar por entre eles
Diminuir os teus medos


Deixa eu tentar o contrário
Correr pelo quarto
Te tirar do nosso armário
E sair por ai.


Deixa eu gritar o sinto
Perdoar o cínico
Enquanto Golias chora
Do lado de fora.


Deixa deixa deixa...
Deixa amar enquanto não vou embora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário