quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

desabafar é preciso, amar também é preciso


é tão ridiculo
como eu sinto sua falta
mesmo quando voce está por perto
assim, do meu lado
rindo sem olhar pra mim
bem legal... sei lá


é meio triste
saber que não te atraio
assim, saber que o que sinto é desnecessário
que não faz diferença alguma
que não tem força nenhuma


é tão desesperador, saca...
tentar e tentar e não conseguir nada
e ter que fingir o tempo todo um bem-estar
só pra que não perceba(m) meu mal-estar
e te constranger


é tão confuso e estranho
como eu fico te chamando em meus sonhos
e mesmo dentro deles
não há nada de concreto
além o meu auto-engano


eu queria tanto te ver feliz
assim
de forma plena
feliz


ate penso em subverter meu orgulho
ir de encontro ao norte
propor uma paz
e incentivar esse absurdo


queria tanto que entendesse esse dilema
esse desabafo completo
em forma de falho-poema


é que tô tão desesperado em imaginar
que se eu fosse o norte
tudo seria diferente


tõ cansado de desejar
ser o torpe norte
só para poder te beijar


tô meio enojado de não aceitar eu
e querer me transmutar


não sei mais o que faço...


o abismo no peito cresce todo dia
desejando teu corpo
cobiçando teus olhos
suplicando teu colo
amando desesperadamente a vontade de Estar Em Tua Companhia...


Amo tanto amar isso que amo
Mesmo sabendo que não foi esse plano


Mas é sempre assim
e meus traumas
e meus medos
e essas vontades
e esses desejos
esse grito silencioso
não vai te afetar em nada
- é sempre assim -


e eu continuo me iludindo sem querer
e eu continuo te amando
AMANDO verdadeiramente
De forma genuína
me submetendo ao desespero
abaixando a cabeça
forçando o riso
pra que ninguem perceba


Só pra poder fingir a mim mesmo que um dia você vai me amar
e dizer
que everything's not lost...




II


fica comigo


III


Diz que me ama


IV


Não suporto mais esse fantasma do último fim de semana


v


Por favor


VI


Me abraça


VII
Me leva pra cama


VIII
Deixa nós dois juntos sermos felizes


XIX
Diz pra sua mente que me ama


X
Me mata de uma vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário