sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

However far away... Always.

É demasiadamente complicado. Demais.
Não é como se tivesse acordado e resolvido chutar tudo pro ar. O processo foi bem lento na verdade, e sei que não terminou. 

Demasiadamente complicado.

Só sei que sinto falta, desde já. Quando acordo com vontade de tomar gim e corro para geladeira buscando uma certa fruta vermelha, é porque a merda tá grande. Em quase dois meses, foi a primeira e única vez. E trouxe uma chuva de certezas.

Números e mais números.

Tenho medo de dormir, nesses últimos dias. Porque eu não sonho mais, revivo dias passados. O da quase morte, o almoço com curry, as festas nos quartos, o verme na comida, a janela, a beira da piscina... O dia e noite de Melancholia, deitados na cama, em meio às trevas.

Tudo foi o melhor de tudo. E isso é o pior de tudo.

O tempo passa rápido só quando você está feliz. Do contrário ele se arrasta.

É foda.

E ai, minha loira, a gente samba. Samba sem querer dançar. Que vai ser desse rosto, sem um ano de seus tapas verbais na minha cara?

Olha o cheiro da grama e da terra me pegando de novo... Olha a menina cantando no violão, aqui na recepção. Passou umas semanas e nos apaixonamos fraternalmente. Eita, tem tanta gente nesse quarto que fica até difícil falar de todos - e ai eu ganho um abraço de urso, que faz minhas costelas estalarem. Alegria e felicidade.

Wow, quanta coisa. Pareceu uma vida inteira e nem foi tanto tempo assim. Mas foi sim...

O tempo passa rápido quando você está feliz. Agora ele vai se arrastar...

Mas eu vou seguir amando vocês. Vou seguir amando você.
Tem cheiro de gim e morango no ar.

However far away. Always.









Nenhum comentário:

Postar um comentário