sábado, 25 de fevereiro de 2012

Svo Hljótt

Naturalmente, não é assim que as coisas acontecem. Mas veja bem: você quer ser enganado.
Por você mesmo.
E vai ser sempre assim porque, no fundo, o que é visto nos outros é automaticamente transformado em utopia:
- Eu sou feio.
- Amar é desnecessário.
- Eu não preciso.
- Eu não te quero.
- Eu não nego.
- Eu sinto.

Eu tô afundando sozinho. E sei muito bem que, quando me faltar o ar e o desespero abraçar, vai ter um punhado de algas demoníacas prendendo meus pés, subindo em minhas pernas e me puxando para baixo.

P
A
R
A


F
U
N
D
O
        M
                   A
                             I
                                    S
                                     P
                                      R
                                      O
                                       F
                                             U
                                                   N
                                                          D
                                                                  O

E não há nada que eu possa fazer. Porque eu
- Me sinto fraco
- Me sinto feio
- Me sinto um pedaço de papel rasgado

E no papel não coube, o que na vida não cabia.
Na poesia caberia.

Mas não faz diferença. Orange juice. É, eu queria que fosse suco de laranja! Para beber e sentir prazer.
Suco... de laranja.


Que droga. Sentimentos são uma droga.

Mas não sentir seria pior.

É.


Toquei o fundo.



2 comentários:

  1. Parabéns, poeta existencialista, seu lirismo nos envolve tao docemente! Muito verdadeiro. Ironicamente um 'suco de laranja' já me serviu pra exorcizar pensamentos suicidas, nos meu 18 anos. Sera' apenas coincidência? Um abraço sofrido mas agridoce. Siga, não no profundo pra baixo, mas pra dentro! Sua poe-poesia vale ouro.

    ResponderExcluir