segunda-feira, 19 de março de 2012

Pesadelo surreal que tive ao meio-dia.

E no sonho cada letrinha
Era um verso
E cada verso um ser inverso
E o ser inverso minha armadilha
E a armadilha prendeu meu pé na noite
E A noite chorou o sol
E O sol a chorou o dia
Este Dia que sonhava com lua
A Lua que não amava o dia

e todas as combinações metafísicas olharam para
mim
e olharam de novo para o mais profundo do seu eu em
você
e nos colocaram nas mais escura das melancolias
fim

foi um sonho sem glórias
foi um sonho sem lutas

Pesadelo surreal que tive ao meio-dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário