sábado, 17 de março de 2012

trigésimo suícidio

e aqui estou eu de novo me perguntando se vale realmente pena pensar sem vírgulas e pontos em tudo isso porque na prática nada nunca muda eu continuo sentindo o desnecessário e sendo idiota você continua achando isso desnecessário e idiota e é assim que tudo sempre funciona e nada nunca muda mas é a vontade de voltar no tempo e poder te abraçar só mais uma vez que incomoda mais porque se eu tivesse me calado e escondido esse grito inalterável talvez fosse tudo diferente ou talvez não fosse as vezes acho que esse tema temporal poderia ter sido outro porque eu me sinto abençoado mas na verdade eu não sei eu não quero nem saber eu só queria você mas você não e é por isso que faço esse papel ridículo jogando na matrix isso que não devia continuar sendo dito e você talvez leia e pense nisso por um milésimo de segundo só para dizer que não é necessário que tem pena e vai fugir de mim e e e e ai eu morro porque assim eu morro mesmo e não é eufemismo porque te ver feliz me faz feliz mas o interior fica fragmentado e o duplo chora e ele é mais forte e eu não e e ai eu não sei o que fazer me diz o que fazer ou não me diz nada porque assim eu desmaio mesmo e é o fim mas pelo menos me xinga ou olha na minha cara mesmo porque eu sei que você não é feliz também e  sabendo que não me deve nada ou que eu não mereço nada porque você me acha um obcecado mas eu sou apenas um filho adotado e órfão de lord byron com um teclado que não sabe o que fazer quando achava que saberia e não quer abrir mão dessa companhia deve ter alguém por ai que você não quer ter deixa eu ser o alguém que com você pode ser só queria nos dar um pouco de regalia porque causaríamos no tudo uma toda alegria mas eu não sei mais o que tô dizendo sem vírgulas e pontos e esse foi meu trigésimo suicídio 

Nenhum comentário:

Postar um comentário