quinta-feira, 3 de maio de 2012

Dedos

deu me dor nos dedos
costurei a carne
descolei os medos
comi das minhas cinzas
desdobrando o azul
corroendo vertigens
dessas férteis minas
como o nada na neblina
desse medo blue

deu me dor no colo
costurei tudo a unha
degolei o ego
decolei eu-feto
degustei aleivosias
comendo da chuva
correndo da lua
demente em poesia

chorando e cantando e sorrindo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário