domingo, 17 de junho de 2012

2006

eu não
eu não existo mais
eu só fico aqui no escuro ouvindo as vozes
eu só fico aqui a tarde ouvindo os risos diformes
eu não
eu nao existo mais aqui dentro
eu sou parte desse passado enterrado
eu sou só uma porçao pequena de ar no vento
que passou
e passou
e não existe mais
e escrevo bebado
cobiçando um cigarro
bebendo saudade abortada
sendo o mais feio de teus amigos
sendo o fracasso omitido
a falta de carisma que em te transborda
o idealizador que condena o não realizado
eu abro os braços e escondo o atalho
por não saber o que sentir
porque não existo mais aqui dentro
e não sei o que há aí dentro
e não sei mais o que sou eu, ou tu, ou sentir
e eu te amo tanto e tanto e tanto
que me mata
só imaginar
esse desespero.

sábado, 16 de junho de 2012

Em Maringá, 1606201220h08

eu vou é fechar os olhos
sair com o mundo
dançar demais
porque o tema foi embora
o poeta chora
e a Gente quer demais

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Gin e Morango

Naquele tempo em que tive planos
Correntes incertas
Fugindo do eu ínsono
Como formigas assustadas
De um passo estridente
Como as formas inacabadas
Do rastejar carente

Foi tudo embora na poeira
Na brisa que ficou lá fora
Sentado sobre folhas
Esperando o céu chegar

E seu azul é angústia
Me lembra filmes, Melancholia
Da noite em braços ilusórios
E da distância que cresceu e cresceu e cresceu
Enquanto fingia

Naqueles dias em que, ahhh, os teus cabelos em meus dedos
E os meus no cigarro
E o copo em nossas bocas
O querer, o amar, e o me calo.

São só utopias vertiginosas,
Eu em cigarro me trago sozinho,
E de certezas completas e sólidas
Vou-me embora para o céu cinza
O vento frio
Enforcado em um pedaço de fio.

Voltar para aquela noite,
na morte,
Sentir o gin o morango
E o cheiro do teu carinho.

sábado, 2 de junho de 2012

Zoo ---------- Tertúlia ---------- 02/06/2012

e se o nada é
      i  n  c  e  r  t  o
e o correto me
     c    a    n    s   a
eu vou é fechar os
      o l h o s
          e
d    a    n   ç   a  r


Tertúli-
           a