segunda-feira, 23 de julho de 2012

É castanho

Nuvens de castanho
e os cabelos castanhos
e olhos de escuro castanho
e barba de castanho negro
mãos que falam em castanho
e corpo que chama o meu castanho
chama com o castanho da minha voz
e com o castanho do meu corpo castanho
e os olhares se encontram castanhos
por mínimos segundos castanhos
e chove na ponta do cigarro
faíscas castanhas
e o silêncio castanho claro,
é de mel,
de sol que  bate no castanho branco
e sangra meu castanho no negro
e acordo para ouvir isso aqui:

Nenhum comentário:

Postar um comentário