domingo, 30 de setembro de 2012

Em meu banheiro sem Espelho

tem uma barata no meu banheiro
grande, vermelha e apetitosa
ela dança quando entro
e se esconde atrás da porta
com suas patinhas ligeiras
me olha de baixo
como se fosse de cima
me devora,
em movimento contrário,
e apavora minha sina.

ela fica quieta no escuro
e não gosta quando acendo a Luz
como não tem espelho ali dentro
nem mesmo ela me seduz

Hei!

dunguinha me disse
que a moça da esquina
a tia da piscina
e o tio gostosão
e meu amor
são tudo umas puta

Asas molhadas

às vezes
só queria
que parece
um pouquinho
de chover

@ Beleza sempre vence

por isso
eu e meu passarinho
ficaremos pra sempre
desenhando paixões
e sonhando amores
sozinhos
um do ladinho do outro
aqui
embaixo da chuvinha
dentro do meu ninho

Mais Um

às vezes
quando chego no meu quarto
depois de
sei lá
tanto faz
eu me olho em um espelho imaginário
imagino um reflexo feliz
e finjo
de novo
pra mim mesmo
que vou aguentar um pouco mais

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

G. falou e

disse
que
me tornei uma puta

sem dono
sem nome
sem voz
boba
e nula

olhando pra um muro ALTO
com sorriso
                                  baixo
sozinha
de pele pelada despenada
na escuridão dos olhos ládentro
que chovem
sobre mim
seca chuva

possibly maybe

me chuta
me cospe
desdenha
ri
e faz cena de desprezo
e morte

eu prefiro
essa dor
que essa vespertina
vertigem
dizendo
que não sim não
à sorte

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

eu também tenho
me perguntado
o porquê
de fazer assim
comigo

conosco

Posso

nem eu
nem ninguém

ninguém;eu.

nem ninguém
nem eu

eu:ninguém.

Não me toque mais sem querer

pedaço de vidro quebrado;
cacos do mesmo espelho.

lua matutina
de sorriso largo;
meu bocejo.

o vento que grita pela voz,
é besteira.

não tocará
pele nenhuma,
só levanta sujeira.

fiquei cego
e se fez surdo

fiquei medo
acariciou meu tato

e de sentido
a sentido
eu não vejo sentido
no teu medo;
enojado.

não é a parede,
nem o arame,
nem meu caminhar meio desligado.

nem o mesmo
que equivale
ao outro
o seu lado

é só o que não sei dizer
enquanto a loucura
suas mãos tecem daí

e mudez
a cegueira
a loucura
e tua surdez
são nossas.

sábado, 15 de setembro de 2012

O Azul

ontem
no escuro
éramos cavernas
olhando pra fora
com morcegos no estômago

e eles começaram a comer toda nossa carne

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

a luz piscando
golias apagando

Dentro da Sonia

vou dormir
pra quando
acordar
te encontrar
sonhando

escuro

quando
o dia amanheceu
e percebi
que nunca
te inspirei
arte alguma

biophilia

sempre
será
eu ouvindo você

e isso já é história de amor completa,
sem começo
nem fim.

um presente do tempo para o futuro e o passado

amiga

ela disse
que
tenho ego demais
e sentimento forte demais
bons
para afastar
todo mundo

eu sorri

cocoon

que pesadelo
dormir
e sentir-se
feliz

uma imagem

duas fotos
se
beijando

Outro espelho


de vez em quando
eu
me lembro dessa foto
jogada entre
livros e pedaços
do teu criado, criado mudo
e me vem certeza
de que a voz do povo
é a voz
do diabo

Pitanga

vida diurna na madrugada
a poesia
não para
de gritar

E nunca mais falaram sobre aquilo.
E nunca mais falaram sobre aquilo.
tu te tornas eternamente responsável pelo henrique que cativas...



mentira,
eu sei,
mas podia ser...

suprema felicidade

e acostumou-se
com  a certeza
de que
nunca
seria
bom o suficiente
para alguém

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

domingo, 9 de setembro de 2012

NÓS!

EU!
Andei pelos becos de uma rua sem saída
EU!
Cavei o asfalto de uma noite esquecida

EU!
EU!
EU!
EU te amei!
EU te odiei!
eu ODIEI te amar!
Eu AMEI nos odiar!

DEI EU
DEI EUS
DÊ EUS!

E agora EU sou eu
Sozinho Aqui
TE PENSANDO
ai do outro LADO

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Renegado

por cima
pela frente
por trás
e por baixo

vejo vocês em meus olhos
nas minhas mãos
com dedos nas costas
e em meus passos

me renegando
me renegando
nos renegando
por todos os lados

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

De novo, Fracassado

com a cabeça baixa
e pele nua; escorre

de olhos abertos,
o chão; afeição

os pés no alto e o alto lá em cima
de vez em quando pensando e teclando sem pensar
pensamentos sobre pensamentos
e verdades sobre mentiras

com a cabeça abaixa,
e a pele na rua; escorre

de olhos fechados
e o chão correndo, afeição

outra história que não se conta
outro fim que o povo deu
outra mentira que a verdade ocultou
outra merda qualquer
que faz o self
cutucar
amedrontar
chupar
cuspir
arrancar
matar
fuder
estuprar
ressuscitar
matar
ressuscitar
mata! mata! mata logo, porra, mata!

mas enrola enrola enrola
e então o "sente-se fracassado",
daqui a pouco
quando a sombra do lado
não for a minha sombra aqui embaixo

e ai anda de cabeça baixa,
olhando o chão,
com o nariz escorrendo,
o coração fedendo,
as mãos tremendo,
o pensamentos de si se esquecendo
e esquecendo de pensar

porque no fim
toda história nova
é contada por fofocas
e lorotas
para
nos frustrar,
Golias.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Espelhos

você passa ao lado
do amor
e ele te rasga o peito

eu passo ao teu lado
e você
me quebra as pernas
estripa as entranhas
cega meus olhos
e arranca meus braços

domingo, 2 de setembro de 2012

É tudo uma grande merda

cães negros
e branco com manchas negras
e alguém de camisa vermelha
andando entre árvores
e pessoas indo a motéis
e carros
e cães negros
e brancos com manchas negras
andando entre árvores
com alguém de camisa vermelha
e atravessam a avenida
e pessoas indo pra casa
e a noite
e alguém com camisa vermelha
e cães negros
e um branco com manchas negras
entre árvores
com a lua distante
na noite escura
negra
fugindo desse mundo
de pessoas com camisa vermelha
e cães negros
e brancos com manchas
negras
atravessando a rua
e carros
e motos
e prédios
e o escuro
com nós dois
andando por entre as árvores